Wagner-BA, sexta-feira, 15 de dezembro de 2017
Início / CRAS / SEXTA NOITE CULTURAL DE WAGNER/BA.

SEXTA NOITE CULTURAL DE WAGNER/BA.

Na última sexta feira (17/11), aconteceu na praça Dois de Julho a 6ª Noite Cultural Afro, com recital de poesias, música afro, dança e o desfile da beleza negra. O evento foi organizado pelo Projeto Social “Unidos Por Uma Nova Vida” em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, Esporte e Cultura, CRAS e Prefeitura Municipal de Wagner. O Projeto Nova Vida além de ser o mentor dessa atividade cultural que aconteceu no seu sexto ano consecutivo, trouxe a culminância de um projeto didático realizado com seus alunos promovendo um encontro de cultura negra do município e o desfile afro que elegeu Ludmyla Nunes e Israel Dutra como Miss e Mister negros de Wagner.

O CRAS apresentou ao público o resultado de um trabalho de oficinas de artes que acontece semanalmente em sua sede com crianças e adolescentes: recital de poesias, dança-afro e muita música. a a escola José Benício de Matos trouxe um grupo feminino de dança com as “Pérolas Negras” representando o trabalho educativo realizado por meio da SEMEC.

Teve também a participação da Companhia de Teatro Estátuas Ambulantes com um recital de poesia negra trazendo arte cênica com formação política e conscientização racial. E tivemos a contribuição dos cantores locais como Rafael Menezes e Israel Dutra, Raumi Souza, Oldair Sampaio, Ritinha Novaes e Jackson Almeida acompanhados pelos músicos: Alisson Heber, Genarque Silva, Bulica Oliveira, Rafael Santos, Roberto e Caçulo Sampaio. A Associação Além da Capoeira trouxe seus integrantes e amigos e realizaram uma roda em memória ao Rei Zumbi e em favor da consciência negra permanente.

Somos um município que a maior porcentagem da população é negra, assim como a Bahia e o Brasil. Portanto com as palavras de Victoria Santa Cruz, desejamos muita luz, conscietização racial, amor e coragem de ter e querer liberdade.

Um dia “odiei meus cabelos e meus lábios grossos e mirei a penada minha carne tostada e retrocedei… Passava o tempo e sempre amargurada continuava levando nas minhas costas minha pesada carga e como  pesava!.. Alisei o cabelo, passei pó na cara e entre minhas entranhas sempre ressoava a mesma palavra: negra! …De hoje em diante não quero alisar meu cabelo, e vou rir daqueles que por evitar – segundo eles – que quer evitar-nos algum dissabor, chamam aos negros de gente de cor. E de que cor! NEGRA. E como soa lindo! Afinal compreendi, já não retrocedo e avanço segura, avanço, espero e bendigo  aos céus porque quis Deus que negro azeviche fosse minha cor. E já compreendi, afinal já tenho a chave! Negra sou!”. Victória Santa Cruz.

Ascom

Texto de Raumi Souza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *