Wagner-BA, terça-feira, 26 de março de 2019
Início / CRAS / Wagner Tem Capoeira

Wagner Tem Capoeira

No ano de 2018, uma novidade em Wagner foi a promoção de aulas itinerantes de capoeira para crianças e adolescentes por meio do CRAS. As oficinas aconteceram na sede do CRAS, no Assentamento São Sebastião de Utinga, Projeto Nova Vida, Escola Violeta e Adalgisa Martins.

O projeto de aula de capoeira Itinerante já existia no Assentamento São Sebastião de Utinga desde 2008, como iniciativa do Projeto Cultural Estrela da Juventude, coordenado pelos jovens locais com o auxilio da Associação. O apoio voluntário do professor Donatillo (Gafanhoto) com aulas e oficinas foi fundamental para a garantia do projeto e em 2018 como uma proposta da Coordenação de Cultura, a capoeira ganhou uma dimensão municipal sendo integrada às atividades de convivência do CRAS.

A culminância do trabalho do ano corrente se deu com um batizado organizado no dia 9 de dezembro organizado pelo professor Donatillo e sua associação de capoeira Ginga Bahia na cidade de Itaberaba, com o objetivo de integrar conhecimentos da cultura afro Brasileira e mudar a graduação de alguns jovens mais avançados que vem participando das aulas.

Segundo Donatillo “o batizado de capoeira teve a participação de vários mestres, contra-mestres, professores, monitores, alunos, “alunos formados”, estagiários de Itaberaba e região e a participação de alunos de Wagner foi crucial para a concretização do trabalho no município. O apoio da Prefeitura Municipal de Wagner foi fundamental para garantir a participação dos nossos alunos que tem avançado muito a cada dia.”

Em 2019 as oficinas de capoeira começarão junto às oficinas de convivência do CRAS no inicio do mês de Março.

A capoeira além de preservar a história do povo brasileiro é um instrumento educativo para o corpo e a alma. É muito mais que uma luta, é ritmo, música, jogo e poesia. Já o capoeirista não é um indivíduo que sabe movimentar somente o corpo, e sim um sujeito que se deixa movimentar pela alma, pois na vida, como na roda, é preciso gingar sempre.

Por: Raumi Souza Coordenador de Cultura e Turismo

  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
TRADUZIR O SITE